Maputo

Maputo
Da minha janela...

segunda-feira, dezembro 31, 2012

252 degraus em 3:28

A menos esperada prenda de Natal chegou há 3 dias, quando nos informaram que o nosso elevador, já parado desde o dia 27, iria continuar parado até a "segunda semana de Janeiro" por falta de uma peça que teria de vir de Espanha...

Fazer o quê? como se diz aqui...( uma espécie de ombros encolhidos, numa expressão de não há nada a fazer perante o inevitável).

Pois, a nós resta-nos treinar, que isto ainda vai se tornar numa modalidade olimpica. Já consegui subir em 3 minutos e 28 segundos...

Feitas as contas, são 270 degraus até à garagem (ou 252 até à entrada principal), ou seja, 540 ida e volta. Como um dia normal tem 2 saídas (manhã e tarde) chegamos à modica quantia de 1080 degraus por dia. E esta hein?

Fica a boa noticia de que este exercicio faz bem ao coração! E em breve teremos os melhores corações da cidade de Maputo.
Imaginem que já conseguimos chegar ao 14º andar com um sorriso!


 
Hoje. ultimo dia do ano, depois de já termos cumprido a nossa missão dos 1080 degraus, recebemos uma mensagem de uns amigos para jantarmos em casa deles...
 
Colegas... é nestas ocasiões que se vê o valor da amizade! Venham mais 14 andares para baixo e 14 para cima, no regresso, que os amigos valem tudo!
 
Entretanto, enquanto a hora não chega, aqui fica um cheirinho da cidade de Maputo, no último dia de 2012:
 
15:41 - Uma tempestade tropical parece aproximar-se da cidade
 
15:44 - Os primeiros relampagos fazem-se ouvir e a chuva começa

15:52 - Os relampagos continuam e a chuva intensifica-se

15:55 - A cidade fica cada vez mais escura, e chove por todo o lado
18:46 - A chuva pára e o sol é devolvido à cidade
18:50 - O último pôr-do-sol do ano
 
19:00 - Temos de sair mesmo?!!! Claro que sim, as pizzas estão à espera, e temos de comê-las ainda este ano:
 

 

 
 


segunda-feira, dezembro 24, 2012

Feliz Natal

Para toda a nossa familia, para todos os nossos irmãos, para todos os nossos amigos e ainda todos aqueles que nem sequer nos conhecem, e apareceram aqui por acaso (...nada acontece por acaso!) ficam os nossos votos de Feliz Natal!

A Alegria não é para é a fotografia apenas, mas apenas um ligeiro reflexo daquilo que são as Boas Noticias do Natal.

Não são as prendas que iremos receber que nos fazem felizes, mas a prenda que recebemos quando percebemos que Jesus nasceu por nossa causa.

"O anjo, porém lhes disse: Não temais; eis aqui vos trago boa-nova de grande alegria, que o será para todo o povo: é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor."

da Bíblia, em Lucas 2:10-11

Se você quer experimentar esta alegria, conheça a Deus aqui!


Família Pratas em Moçambique
 (foto oficial de Natal)


(foto não oficial)

terça-feira, dezembro 18, 2012

O Valor Sentimental

Esta semana questionei-me sobre o “valor sentimental” das coisas que temos.

Talvez porque fui obrigado a abrir as caixas onde empacotei os nossos pertences aquando desta ultima mudança de casa…

Há coisas que me acompanham por cerca de 40 anos, simplesmente por causa do seu valor sentimental:

1.       Um Barco de Pesca – ainda me consigo lembrar daquela loja numa das ruas de Faro, onde namorei este barco vezes sem conta, até que os meus pais pagaram 1000 escudos, uma autêntica fortuna para a época, para que esta embarcação que nunca viu água, pudesse estar na minha companhia. Ainda hoje está no meu escritório. Não me consigo libertar dela…
 

2.       Uma Mota Kawasaki 1000  – nunca brinquei com ela com medo de a partir ou estragar. Mantive-a numa redoma apenas para contemplação, talvez à espera de um filho varão que pudesse brincar com ela. Quis Deus que eu só tivesse raparigas, e nenhuma delas quis ter carta de mota! Nunca a dei a nenhuma criança por causa do seu “valor sentimental”…
 
 

3.       Um Candeeiro de Madeira - feito na aula de Trabalhos Manuais (1975) – usei-o como candeeiro de mesa de cabeceira durante os restantes anos da minha adolescência e juventude. Já mudou 3 vezes de casa sem nunca ter sido utilizado. É apenas uma luz apagada, que nunca ofereci na esperança de um dia voltar a vê-la funcionar…
 
 

4.       Um Novo Testamento – o meu primeiro (1975). Talvez porque foi nele que descobri muitas das palavras que hoje sei… talvez por dizer Este Novo Testamento pertence ao menino Alberto Jorge…”
 
 

Coisas que me acompanham por causa do seu valor sentimental! O que é isto do valor sentimental? Quanto vale? Como se calcula? Se tentasse colocar qualquer um desses objectos à vendo no eBay certamente não teria nenhuma licitação para compra, o que significa que o valor sentimental só existe para uma pessoa – eu próprio, logo não pode ser referência no mercado de transacções.

Depois penso no valor utilitário destes objectos, ou seja, que utilidade teriam eles, se estivessem nas mãos de outras pessoas? Dois brinquedos fariam duas crianças felizes por algum tempo, enquanto o barco e a mota conseguissem permanecer numa peça só… não tanto tempo quanto aquele que eu dediquei a contemplá-los para minha felicidade natural. Um candeeiro iluminaria as noites de alguém que não tem candeeiro… mas existirá alguém neste mundo que tendo energia eléctrica não tem uma lâmpada para se iluminar? Fará isto realmente falta a alguém, ou não será esta uma peça que nas mãos de outrem rapidamente ganhará o desprezo e acabará reduzido a lenha para uma fogueira?...

O grande dilema chega quando penso no 4º objecto – o meu primeiro Novo Testamento! É que não existem dúvidas quanto ao seu valor sentimental, dado provavelmente o facto de que parte do que sou, devo à leitura que fiz neste pequeno livro. Certamente foi neste livro que aprendi quem era Deus e quem era Jesus. Foi nele que comecei a descobrir aquilo que mais tarde viriam a ser os meus valores de vida. Não há dúvida que este Novo Testamento impresso há exactamente 40 anos e em meu poder desde o dia 24 de Março de 1975, tem um incalculável valor sentimental. Quero guardá-lo para sempre…

Mas… e quanto ao seu valor espiritual? Este livro é a Palavra de Deus! E a Bíblia diz que a Palavra de Deus é viva e eficaz (Hebreus 4:12) e que o evangelho é o poder de Deus para a salvação de todo o que crê (Romanos 1:16).

Aqui vem o dilema… o que é que eu valorizo mais neste objecto – o seu valor sentimental ou o seu valor espiritual? Que utilidade terá ele noutras mãos? Nas minhas continuará a ser um livro de recordações, cheio de significado, que me fará lembrar a minha própria pessoa e o inicio da minha caminhada com Deus. Mas nas mãos de outros… não posso garantir… apenas sei do Seu poder, e da sua capacidade de mudar vidas.

Se existe a pequenina probabilidade de este livro vir a ser lido por alguém cuja vida poderá ser transformada pela sua leitura, eu não quero impedi-lo por causa das minhas recordações pessoais.
 
Na verdade, o seu valor espiritual é muito superior ao seu valor sentimental.
 
Dos 4 objectos que guardo por quase 4 décadas, este vai ser o primeiro a despedir-se para que possa ainda ser “lâmpada para os pés, e luz para o caminho”  (Salmo 119:105) de alguém.
 
E você, já tinha pensado nisso?

segunda-feira, dezembro 10, 2012

Futebol, não importa aonde nem como...

A poucos kilómetros do centro da cidade de Maputo, logo a seguir às portagens da Matola, encontramos uma zona a que os populares chamaram de Casa Branca, em virtude de ali existir uma Casa Branca, que em tempos terá sido o conhecido restaurante "Cavalo Branco".

Agora em ruínas, continua a dar nome a esta zona e é assim que lhe chamamos quando referimos a equipa de futebol a que a Igreja Filadélfia decidiu dar apoio.

Ali encontramos um campo pelado, com os altos e baixos habituais desta terra vermelha, rodeada de casas, barracas, galinhas e lixo... muito lixo.

Mas isso não é impedimento para que o "mister" junte ali as crianças 2 vezes por dia (para atingir todas as crianças que não estejam na hora escolar) para lhes ensinar os passos e truques do desporto que continua a apaixonar grandes e pequenos, ricos e pobres.

Hoje, temos a visita do nosso treinador Saidate, que partilha com as crianças o valor dos sonhos, e a vontade de as ajudar a lutar por uma vida melhor.

Quais são os vossos sonhos? - pergunta ele, àqueles meninos. Ser jogador de futebol... diz um. Ser treinador... acrescenta outro.

De seguida perguntamos-lhes o que é necessário fazer para conseguir tudo isso. Trabalho, claro está! Muito trabalho! Ou como diria um treinador da nossa praça: Trabalho, trabalho, trabalho.

Semana após semana estas crianças aprendem a fazer aquilo que mais gostam - jogar futebol, mas também aprendem os valores que lhes servirão para a vida, para construirem melhores familias, uma melhor sociedade, e acima de tudo, conhecerem o Deus que as ama incondicionalmente.




segunda-feira, dezembro 03, 2012

A Mayra voltou para nos fazer sorrir...

Conhecemos a Mayra há 3 anos atrás, quando entrou no Hospital com um grave tumor na vista e apenas 1 ano de idade. Após 1 ano no hospital com intensos tratamentos de quimioterapia, esta menina regressou a Nampula, sem nunca percebermos se algum dia a iriamos voltar a ver.

É tão comum isto acontecer. Depois de alguns meses em casa, a doença regressa ainda com mais força, e a familia já não tem forças para recomeçar tudo de novo. Na maior parte dos casos acabamos por saber da triste noticia mais tarde ou mais cedo.

Mas com a Mayra foi uma surpresa. Ela voltou ao Hospital em Maputo para os médicos confirmarem que o tratamento tinha sido um sucesso, e para ela ver as tias e o médico que nunca mais esqueceu.

A história da Mayra faz-nos sorrir e pensar que ainda há esperança para tantos meninos que chegam a esta cidade quase vencidos pelo cancro!

Obrigado Mayra, por nos fazeres sorrir...